Uma bandeira, uma história!

Texto e Foto de Lutero Barbará
Uma lenda nos conta que durante uma batalha contra os mouros, no século IX, o líder catalão Giufré tombou ferido gravemente. Seu aliado Carlos II, neto de Carlos Magno, molhou seus dedos no ferimento de Giufré e tingiu seu escudo dourado com quatro listras de sangue, como quem pinta um quadro com sentimentos de desespero e fúria. O gesto simbólico varou os séculos rasgando o escudo do tempo e fazendo eco na eternidade. 
Quatro barras vermelhas sobre um fundo dourado e assim nascia um símbolo; a bandeira da Catalunha. É impossível que se saiba se foi exatamente assim que ocorreu, mas o surgimento de um estandarte raramente tem compromisso com a realidade dos fatos.
Os símbolos forjados pelo homem e para o homem não podem ser paridos na frieza de uma reunião ordinária, é no universo dos heróis míticos e das lendas românticas que a bandeira cria a sua força e justifica sua natureza que transcende o tempo.
Nas varandas e janelas de Barcelona podemos observar as listras do sangue de Giufré sobre o escudo dourado de Carlos II resistindo à sucessão dos dias e balançando ao sabor do vento. Elas estão ali, como uma lembrança que sua identidade persiste teimosa afrontando a ambição mesquinha dos opressores do passado, elas tremulam evocando o primitivo desejo humano de liberdade, o direito de expressar em sua própria língua os seus valores e a sua cultura. O que se pinta com sangue não se apaga com facilidade.
bandeira-catalunha
A banderia da janela, com triângulo e estrela, é a independentista. 
A banderia oficial da Catalunha tem somente as listras amarelhas e vermelhas.   
Comments
  1. 10 anos ago
    • 10 anos ago

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *