Um 1º de maio para refletir!

Foto: Interior da fábrica Hispano-Suiza. © Frederic Ballell / Arxiu Fotogràfic de Catalunya (c. 1905-1915)

Foto: Interior da fábrica Hispano-Suiza. © Frederic Ballell / Arxiu Fotogràfic de Catalunya (c. 1905-1915)

Hoje, 1º de maio, os trabalhadores da Espanha não tem muito o que comemorar. Na verdade, hoje é dia de reivindicar melhores salários, melhores condições de trabalho e mais emprego. Atualmente conseguir poucos euros resulta em muito sacrifício e muitas horas de trabalhos mal remuneradas. Já era o tempo em que a Europa era o lugar para fazer o pé de meia.

A crise chegou na Europa junto comigo. Acho que viemos no mesmo avião em 2009. De lá para cá a coisa não melhorou, mesmo que os políticos insistam em falar o contrário. Eu só fui sentir a crise em 2011, quando tive autorização para trabalhar. Encontrar trabalho não foi fácil e a concorrência era forte, já que Barcelona tem uma grande população imigrante. Até acho que o processo de buscar trabalho não pode ser parâmetro para crise, pois é difícil em qualquer lugar e ainda mais em outro país. Mas, por outro lado, o que antes era trabalho de imigrante virou trabalho de espanhol. O que antes eles rejeitavam, porque consideravam menos qualificado e por isto poderia ser feito por imigrantes, passou a ser objeto de desejo.

A realidade que vi, quando consegui um, foi bem triste. Me deparei com uma Espanha que pouco a pouco foi desmantelando as leis trabalhistas, desfavorecendo os trabalhadores em prol dos empresários. E a classe de empresários ainda reclama. Contratos basura (como falamos aqui, ou seja, contratos lixo) se proliferando por todos os lados. Governo facilitando o processo de despedir um trabalhador. Salários baixos, entre 600 e 700 euros, por 40 horas de trabalho. Hoje é difícil achar alguém que ganhe 1000 euros, o que antes da crise era bem comum. E se você encontrar, coloca logo em um pedestal. No trabalho as pessoas vivem acuadas e com medo de perder o emprego, pois sabem que fora dele só vão encontrar dificuldades.

Manifestação Las Ramblas - 2011

Manifestação Las Ramblas – 2011

Nestes 5 anos de crise, vi como a Europa deixava de ser o continente dos sonhos e das oportunidades. Brasileiros voltando para o Brasil, com a esperança de que lá a vida esteja melhor economicamente. Espanhóis indo para a Alemanha em busca de trabalho. Filas diárias nas oficinas de desemprego, gente dormindo na rua e buscando comida nos cubos de lixo, o trabalho social da Cáritas só aumentando. E muita, mais muita, gente sendo despechada dos seus apartamentos por não pagar a hipoteca. Cenas de latinoamerica protagonizadas por europeus. No entanto, mesmo diante do desmoronamento do castelo de sonhos, todo dia tem africanos tentando pular as grades que separam a Europa da África em Mellila – Espanha. O que buscam? A oportunidade que lá não existe. Isto me faz refletir… e chorar.

Fica a questão no ar: O que estamos fazendo do nosso mundo e que papel temos nisto tudo?

Por fim, só posso desejar que no dia 1 de maio, e em todos os dias do ano, o mundo seja um lugar justo. E que ruas como o Passeig de Gràcia, a rua mais luxuosa de Barcelona, seja um lugar para todos e não para a minoria. Ou melhor… que elas nem existam.

Bom feriado

Comments
  1. Avatar6 anos ago

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *