Casa Amatller: Incrível por fora, linda por dentro!

casa_amatller_fachada

Quando as pessoas chegam a altura do número 43, do Passeig de Gràcia, só tem olhos para a Casa Batlló. Ao lado desta, sem fazer barulho e um pouco tímida, está a casa Amatller. A primeira casa da “manzana de la discordia” a ser reformada entre 1898 – 1900. Para ela só sobram os olhares distraídos ou mesmo os olhos de quem já cansou do exagero de Gaudí.

Com a sua discrição clássica, a Casa Amatller tem um charme e uma elegância que não alcança a todos. Talvez seja preciso saber mais sobre ela, sobre o seu dono e seu arquiteto para encontrar o encantamento necessário para entende-la. A casa foi reformada por Josep Puig i Cadalfalch, um dos arquitetos mais importantes da Barcelona do começo do século XX. Puig era arquiteto, político e historiador da arte e tinha uma concepção particular da arquitetura. Acreditava que era preciso recuperar o passado glorioso da cidade, através de uma arquitetura moderna, e por isto vai escolher o neogótico. Este estilo recuperava o esplendor medieval de Barcelona, que neste período foi uma grande potência do mediterrâneo.

O senhor Amatller era dono de uma fábrica de chocolates, colecionava vidros e era fotógrafo amador. Na casa vivia com a filha, que ficou com ele depois que sua ex-esposa se mudou para a Itália para viver com um cantor de ópera. Toda a reforma da casa, interna e externa, foi feita pensando nos gostos do senhor Amatller. Por isto, vamos encontrar referências a América, lugar de origem do cacau, ao vidro, a fotografia e as artes. Te convido a sentar no banco que está diante da casa Amatller e olhar a fachada com atenção e você verá as referências que falei.

macaco_fachada copia

Bicho fotógrafo

Dentro da casa o estilo neogótico e os elementos do modernismo imperam. Os corredores, o chão, o teto e as janelas são ricamente adornados com madeiras trabalhadas, vitrais coloridos, esculturas e mosaicos.

No mosaico está escrito "Deus te dê bom dia e boa hora" . Porta de entrada do apê principal.

No mosaico está escrito “Deus te dê bom dia e boa hora” . Porta de entrada do apê principal.

Vitral da sala de jantar

Vitral da sala de jantar

A lareira da sala de jantar impressiona, não só pelo tamanho, mas sim pelas esculturas que representam a América e a Europa.

comedor_amatller

Sala de Jantar

O índio e a rainha!

O índio e a rainha europeia!

O lustre que está diante dela também chama a atenção, pelo lindo trabalho em ferro forçado e pelos vitrais. Dos materiais típicos do modernismo.

lustre_amatller

Os quartos dos donos da casas são impressionantes. O quarto da Teresa transita em duas épocas distintas, principio do século XX e os anos 1950. Teresa morou na casa até morrer em 1960, só deixou a casa durante a Guerra Civil Espanhola. Durante todo o tempo que morou lá deixou tudo como estava, sem tocar praticamente em nada. O que faz com que a casa tenha um valor histórico e artístico muito maior. O quarto do senhor Antoni Amatller parece um castelo medieval. Sóbrio, escuro e com tecido vermelho nas paredes. Nos remete a autoridade dos senhores feudais.

Quarto da filha

Quarto da filha

habitacion_amatller

A sala de estar, cujas três janelas dão para rua, é ampla, iluminada e foi feita para exibir a coleção de vidros do senhor Amatller. Na visita a casa neste cômodo, e em outro ao lado do quarto do sr. Amatller, vemos a vasta coleção de garrafinhas, copos e taças de vidro.

coleçaovidro

Outra coisa que chama atenção na casa é a relação dos donos com os empregados. A cozinha ficava na parte de baixo da casa, onde hoje é um café. Lá a comida era feita e subida até o apartamento principal por um elevador. Os empregados tinha uma escada de serviço que os levava diretamente ao apartamento principal, cuja saída estava de frente ao escritório do senhor Amatller. Assim, ele tinha o controle do serviço! Muito espertinho!

elevador

A visita a casa dura 1 hora e custa 15 euros. Eu acho que vale muito a pena, porque é um estilo muito diferente do estilo do Gaudí. Também é uma outra forma de entender o modernismo. E para quem não pode pagar 21,50 para a casa Batlló é uma opção econômica. No final da visita você ainda ganha uma degustação do chocolate Amatller na lojinha que fica no terréo. Os chocolates Amatller são fabricados pela chocolateria Simón Coll, que é a dona da marca. Entre aqui para saber mais sobre a fábrica de chocolates Simón Coll.

Eu te convido a ler o que a Mônica, do blog De Café por Barcelona, tem a dizer sobre o café Fabori que fica na antiga cozinha da casa Amatller. Lá tem cada coisa deliciosa e pode ser um bom lugar para tomar um café da manhã ou um chocolate quente. Para ler o post dela entre aqui.

Para mais informações sobre o ingresso entre aqui!

Casa Amatller

Passeig de Gràcia, 41

Metro: L3

De segunda a domingo: 11:00 às 19:00

Fechada: 1 e 6 de janeiro e 25 de dezembro

Comments
  1. Avatar1 ano ago
    • Avatar1 ano ago
  2. Avatar3 anos ago
  3. Avatar4 anos ago

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *