Parque Güell: um sonho frustado!

vista_geral_guell

Vista da casa do caseiro

 

O Park Güell é um projeto frustado de Antoni Gaudí e do seu mecenas Eusébio Güell. A ideia dos dois era construir um condomínio, do tipo cidade-jardim, inspirado nos condomínios da Inglaterra, para os burgueses de Barcelona. Em 1899, Güell comprou o terreno e convidou Gaudì para tocar o projeto, que previa a construção de 60 casas. O projeto fracassou, pois os ricos da cidade achavam o lugar longe do centro e pouco urbanizado. Em 1918, quando o conde Güell morreu, o empreendimento foi vendido para a prefeitura de Barcelona que decidiu fazer um parque.
Em 1900, Gaudí começou a trabalhar no park, cujas obras param em 1914, com a chegada da Primeira Guerra Mundial. No terreno localizado na parte alta da cidade, foram construídas as partes comuns do condomínio e as casa de Gaudí (salmão), de um advogado amigo de Güell (branca no alto) e a casa do sr. Güell (hoje uma escola). A casa de Gaudí é um museu, a entrada se paga a parte da entrada do parque. Dentro tem móveis do Palau Güell e da Cases Calvet e alguns objetos pessoais de Gaudí.
casabranca
gaudi_casa
Ao chegar no parque, o visitante é recebido por duas casas inspiradas no conto do irmãos Grinm, “Hansel e Gretel”, da casa de doces da bruxa. Estas duas casas estavam destinadas a administração do parque (menor com a cruz gaudiana) e a moradia do caseiro (maior com cogumelo). Na casa pequena tem uma lojinha e uma livraria e na grande você encontra informações sobre a obra do Gaudí.
guell_park
Na frente das casas, abre-se uma grande escada que leva para a sala hipóstila, conhecida, também, como a sala das cem colunas, mas só tem 86. Nesta escada tem 3 fontes, a segunda ornamentada com as cores da bandeira catalana, e a terceira com a salamandra, símbolo da alquimia, pois este bicho escapa inleso do fogo.
salamandra_gaudi
A sala das cem colunas foi ornamentada por Josep Maria Jujol, colaborador habitual de Gaudì. Está sala, sustentada por colunas, estava destinada a abrigar o mercado de frutas e verduras que, semanalmente, se instalaria no condomínio. A sala sustenta um teatro grego com bancos serpenteados e decorados com restos de cerâmica – trencadìs. Este espaço estava destinado às reuniões do condomínio. Os bancos são uma sinfonia de cores, azul, amarelo, verde, combinados com o branco, símbolo da pureza. É importante saber que tudo na obra de Gaudì tem significado, seja religioso, natural ou patriótico.
banco_gaudi
 Não deixe de caminhar pelos corredores feitos de pedras que circundam o parque. Eles tem formas interessantes e se pode fazer lindas fotos neles.
Para o lado direito, da entrada, está a Casa-Museu Gaudì
No alto do Park Güell, no lado esquerdo, tem uma cruz de onde se tem uma linda vista da cidade. Neste lugar seria construída a igreja do condomínio.
Eu não queria falar, mas o Park Güell é um lugar imperdível, que tem que ser visitado sim ou sim. Lá de cima se tem uma linda vista da cidade, se vê o mar, a Sagrada Família e etc. Além do que, o Park Güel é considerado uma das obras mestras de Gaudì, que já tinha um estilo próprio bastante consolidado quando começou o projeto. Depois do fracasso da construção do condomínio, Gaudì passa a se dedicar 100% a Sagrada Família.
Horário:
Janeiro, Fevereiro, novembro e dezembro até às 18h,  Março e Outubro até às 19h, Abril e setembro até às 20h, de maio a agosto até às 21h. Abre sempre às 10h.
Preço:
Compra antecipada no site: 10 euros
Como chegar: 

O Park Güell se encontra na rua de Olot de Barcelona.

Para chegar a zona monumental se recomenda três acesso: calle de Larrard (entrada principal), carretera del Carmel, nº. 23 (onde está o estacionamento dos ônibus de turismo) e pela pasaje de Sant Josep de la Muntanya, que se chega através de escadas rolante.

Metro: Linha Verde (L3) paradas Vallcarcas ou Lesseps. Linha Amarela (L4): parada Alfonso X

Descendo na estação Vallcarca:

Da parada Vallcarca se tarda uns 15 min caminhando até o parque. Pegue a escada rolante na Baixada de la Glòrie e siga até a pasaje de Sant Josep de la Muntanya.

Descendo na estação Lessesps:

Da parada Lessesps se tarda uns 15 min caminhando.

Descendo na estação Alfonso X:

A partir de 1 de abril de 2019, quem tem o ticket comprado do Parque Güell, poderá usar o Bus Güell. Um ônibus, gratuito, que leva da parada de metro a entrada do parque.

O serviço é de leva e trás e o trajeto dura 15 minutos. É importante calcular o tempo de trajeto para não perder o horário de entrada no parque.

Entre aqui para saber mais sobre o serviço de Bus Güell.

ônibus: H6, D40, 24 y 92

Linha H6 e D40:
Descer na parada de ônibus urbano da Travessera de Dalt caminhar 10 minutos. Se recomenda o acceso tanto pela pasaje de Sant Josep de la Muntanya, que dispone de escadas rolantes, como pela calle de Larrard.

Linha 24:
Pegue o ônibus na Plaça Catalunya ou Passeig de Gracia  e desça na parada Carretera del Carmel-Park Güell. Atravesse a rua e entre no parque.

Linha 92
Esta linha (Pg. Marítim – Av. Tibidabo) passa pela Sagrada Familia e Hospital de Sant Pau. Descer na parada Carretera del Carmel-Park Güell na frente está uma das entradas do parque.

Comments
  1. 4 meses ago
    • 4 meses ago
  2. 1 ano ago

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Uso de cookies

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies